Controle

Um controle é uma instância de CController ou uma de suas classes derivadas. Ele é criado pela aplicação durante a requisição do usuário. Quando um controle entra em execução, ele também executa a ação requisitada, que, geralmente, recupera os modelos necessários e exibe a visão apropriada. Uma ação, em sua forma mais simples, nada mais é do que um método na classe do controle, cujo nome começa com action.

Um controle tem uma ação padrão. Quando a requisição do usuário não especifica qual ação executar, a ação padrão será utilizada. Por padrão, essa ação é chamada index. Ela pode ser alterada através da propriedade CController::defaultAction.

Abaixo temos o código mínimo necessário para uma classe de controle. Uma vez que esse controle não define nenhuma ação, qualquer requisição feita para ele irá disparar uma exceção.

class SiteController extends CController
{
}

1. Rota

Controles e ações são identificados por seus IDs. O ID de um controle é representado no formato caminho/para/xyz, que corresponde ao arquivo de classe do controle em protected/controllers/caminho/para/XyzController.php, onde o xyz deve ser substituído pelos nomes dos controles (por exemplo, post corresponde a protected/controllers/PostController.php). O ID de uma ação é o nome de seu método sem o prefixo action. Por exemplo, se um controle contém o método chamado actionEdit, o ID da ação correspondente será edit.

Nota: Antes da versão 1.0.3, o formato do ID para os controles era caminho.para.xyz em vez de caminho/para/xyz.

Usuários fazem requisições para uma ação e um controle em particular, por meio um rota. Uma rota, é formada concatenando-se o ID de um controle e o ID de uma ação, separados por uma barra. Por exemplo, a rota post/edit refere-se ao controle PostController e sua ação edit. Por padrão, a URL http://hostname/index.php?r=post/edit irá requisitar esse controle e essa ação.

Nota: Por padrão, as rotas fazem diferença entre maiúsculas e minúsculas. Desde a versão 1.0.1, é possível eliminar esse comportamento alterando o valor da propriedade CUrlManager::caseSensitive para false, na configuração da aplicação. Configurada dessa forma, tenha certeza de que você irá seguir a convenção de manter os nomes dos diretórios onde estão os controles e as chaves dos vetores em controller map e action map em letras minúsculas.

A partir da versão 1.0.3, uma aplicação pode conter módulos. A rota para a ação de um controle dentro de um módulo deve estar no formato IDmodulo/IDcontrole/IDacao. Para mais detalhes, veja a seção sobre módulos.

2. Instanciação do Controle

Uma instância do controle é criada no momento em que a CWebApplication recebe um requisição do usuário. Dado o ID do controle, a aplicação irá utilizar as seguintes regras para determinar qual classe deve ser utilizada e onde ela está localizada:

  • Se a propriedade CWebApplication::catchAllRequest for especificada, o controle será criado com base nela, ignorando o ID do controle requisitado pelo usuário. Essa propriedade é utilizada principalmente para colocar a aplicação em modo de manutenção e exibir uma página estática de notificação.

  • Se o ID for encontrado em CWebApplication::controllerMap, a configuração do controle correspondente será utilizada para instanciar o controle.

  • Se o ID estiver no formato caminho/para/xyz, será assumido que o nome da classe é XyzController e seu arquivo correspondente está em protected/controllers/caminho/para/XyzController.php. Por exemplo, o ID de controle admin/user será resolvido para a classe UserController e seu arquivo correspondente será protected/controllers/admin/UserController.php. Se o arquivo não existir, um erro 404 CHttpException será disparado.

Nos casos em que módulos são utilizados (a partir da versão 1.0.3), o processo acima é um pouco diferente. Nessa situação em particular, a aplicação irá verificar se o ID refere-se a um controle dentro de um módulo e, caso positivo, o módulo será instanciado, primeiro, seguido da instanciação do controle.

3. Ação

Como já mencionado, uma ação pode ser definida como um método cujo nome começa com a palavra action. De uma maneira mais avançada, podemos definir uma ação como uma classe, e pedir para que o controle a instancie quando requisitada. Dessa forma, as ações podem ser reutilizadas com facilidade.

Para definir uma ação como uma classe, faça como no exemplo a seguir:

class UpdateAction extends CAction
{
    public function run()
    {
        // coloque a lógica aqui
    }
}

Para que o controle tenha conhecimento dessa ação, devemos sobrescrever o método actions() na classe do controle:

class PostController extends CController
{
    public function actions()
    {
        return array(
            'edit'=>'application.controllers.post.UpdateAction',
        );
    }
}

No exemplo acima, utilizamos o path alias application.controllers.post.UpdateAction para especificar que a classe de ação está em protected/controllers/post/UpdateAction.php.

Trabalhando com ações baseadas em classes, podemos organizar nossa aplicação de forma modular. Por exemplo, a estrutura de diretórios a seguir pode ser utilizada para organizar o código para os controles:

protected/
    controllers/
        PostController.php
        UserController.php
        post/
            CreateAction.php
            ReadAction.php
            UpdateAction.php
        user/
            CreateAction.php
            ListAction.php
            ProfileAction.php
            UpdateAction.php

4. Filtro

Um filtro é uma porção de código, configurada para ser executada antes e/ou depois que uma ação de um controle. Por exemplo, o filtro de controle de acesso deve ser utilizado para assegurar que o usuário está autenticado, antes de executar a ação requisitada; um filtro de desempenho pode ser utilizado para medir o tempo gasto para a execução de uma ação.

Uma ação pode ter vários filtros. Os filtros são executados na ordem em que aparecem na lista de filtros. Um filtro pode prevenir a execução da ação e dos demais filtros ainda não executados.

Um filtro pode ser definido como um método na classe do controle. O nome desse método deve começar como filter. Por exemplo, o método filterAccessControl define um filtro chamado accessControl. O método do filtro deve ter a seguinte assinatura:

public function filterAccessControl($filterChain)
{
    // utilize $filterChain->run() para continuar o processo de filtragem e executar a ação
}

Acima, $filterChain é uma instância da classe CFilterChain, que representa a lista de filtros associados com a ação requisitada. Dentro do método do filtro, podemos utilizar $filterChain->run() para continuar o processo de filtragem e executar a ação.

Um filtro também pode ser uma instância de CFilter, ou de uma de suas classes derivadas. No código abaixo, vemos como definir um filtro como uma classe:

class PerformanceFilter extends CFilter
{
    protected function preFilter($filterChain)
    {
        // lógica que será executada antes da ação
        return true; // deve retornar false caso a ação não deva ser executada
    }
 
    protected function postFilter($filterChain)
    {
        // lógica que será executada depois da ação
    }
}

Para aplicar os filtros às ações, precisamos sobrescrever o método CController::filters(). Esse método deve retornar um vetor com as configurações dos filtros. Por exemplo:

class PostController extends CController
{
    ......
    public function filters()
    {
        return array(
            'postOnly + edit, create',
            array(
                'application.filters.PerformanceFilter - edit, create',
                'unit'=>'second',
            ),
        );
    }
}

No código acima, especificamos dois filtros: postOnly e PerformanceFilter. O filtro postOnly é baseado em um método (o método correspondente já está definido na classe CController); enquanto o filtro PerformanceFiler é baseado em uma classe. O alias application.filters.PerformanceFilter especifíca que a classe desse filtro está em protected/filters/PerformanceFilter. Utilizamos um vetor para configurar o filtro PerformanceFilter, assim podemos inicializar devidamente os valores de suas propriedades. Nesse caso, a propriedade unit dessa classe será inicializada com o valor second.

Utilizando-se os operadores + e -, podemos especificar a quais ações os filtros devem ou não ser aplicados. No último exemplo, o filtro postOnly deverá ser aplicado as ações edit e create, enquanto o PerformanceFilter deve ser aplicado a todas as ações, EXCETO nas ações edit e create. Caso nenhum desses operadores seja especificado o filtro será aplicado a todas as ações.

$Id: basics.controller.txt 1264 2009-07-21 19:34:55Z qiang.xue $

Be the first person to leave a comment

Please to leave your comment.